Pearls of Wisdom (Part 1)

pearls of wisdom Once many years ago, during one of my classes, a student came up with a new word and I got so surprised because he was a basic level student. So I told him—because I tend to get carried away speaking only English even when I’m teaching basic levels—“ I don’t remember teaching you that word…”, and then he smiled and said, “Oh teacher, you’re not the only one who teaches me words in English’. So, lesson learned (my lesson- because I thought I was the only one guiding his life with pearls of wisdom), I started thinking about what many years later I found out it is called Learner Empowerment. But, I’ll continue this ‘talk’ later because it’s very important to explain how we can empower our students. Then, you may have been asking yourself as a teacher or a student (intermediate level on since this text is in English), why the suspense? why not explain it now? Only because I want this to be food for thought for now!

Communication Gap

communication GAP

Você sabe o que significa ‘Communication Gap’?
Sabe aquele momento no qual você pensa em tudo o que vai dizer, você ensaia todas as frases e, então depois de tudo pronto na sua cabeça, você fala o que tanto ensaiou, mas de repente, seu interlocutor diz uma coisa completamente diferente e você perde, momentaneamente ou talvez pra sempre, todos os seus argumentos? Quem nunca passou por isso? Então, isto também ocorre em inglês, com muita frequência em situações do dia a dia, em negociações, etc. Pois é, dependendo da situação a gente pensa “deixa pra lá”, e desiste de dizer o que queria… Chamamos isso de ‘communication gap’ na aprendizagem de línguas estrangeiras. No auge da metodologia audiolingual, cuja característica principal era a repetição e imitação, os alunos tinham que memorizar muitas frases, então estes ‘gaps’ na comunicação eram inevitáveis. Um caso engraçado foi de um aluno passeando em Minas Gerais que conheceu um ‘gringo’ e ao ouvir a pergunta ‘Where are you from?’, ele respondeu todo feliz a frase do livro texto tão ensaiada em aula: ‘I am from a little city not far from here’, e a pessoa prosseguiu, ‘Really? Where?’, e o aluno respondeu ‘Rio de Janeiro’. Então pergunto? Vale a pena memorizar, repetir e ‘papagaiar’ por aí?